sexta-feira, 10 de agosto de 2007

Carta aberta aos homens por ele.

Amigas, peço a devida licença para me dirigir exclusivamente aos meus semelhantes de sexo, esses moços, pobres moços, neste panfleto testosteronizado. Sim, amigas, esses seres que andam tão assustados, fracos e medrosos, beirando a covardia amorosa de fato e de direito.

Destemidas fêmeas, caso notem que eles não leram, não estão nem ai para a nossa carta aberta, recortem e colem nas geladeiras , tirem uma cópia e preguem no banheiro, na mesa do computador, na cabeceira, deixem esta crônica grudada na tv, mas não antes do futebol, pois há o risco de simplesmente ser ignorada, enfim, me ajudem para que esta minha carta aberta aos rapazes chegue, de alguma forma, ao alcance deles.

Amigos, chega dessa pasmaceira, chega dessa eterna covardia amorosa. Amigos, se vocês soubessem o que elas andam falando por ai. Horrores ao nosso respeito. O pior é que elas estão cobertas de razão como umas Marias Antonietas cobertas de longos e impenetráveis vestidos.

Cabróns, estamos sendo tachados simplesmente de frouxos, medrosos, ensaios de macho, rascunhos de homens, além de tolos, como quase sempre somos.

Prestem atenção, amigos, faz sentido o que elas dizem. A maioria de nós anda correndo delas diante do menor sinal de vínculo, diante da menor intimidade, logo após a primeira ou segunda manhã de sexo. O que é isso companheiros? Fugir à melhor das lutas? Nem vou falar na clássica falta de educação do dia seguinte.Ora, mandem nem que seja uma mensagem de texto delicada, seus preguiçosos, seus ordinários. O que custa um telefonema gentil, queiramos ou não dar seqüência à historia?!

Amigos, estamos errados quando pensamos que elas querem urgentemente nos levar ao altar ou juntar os trapos urgentemente. Nos enganamos. Erramos feio. Em muitas vezes, elas querem apenas o que nós também queremos: uma bela noite, ora direis, ouvir estrelas!

Por que praticamente exigimos uma segunda chance apenas quando falhamos, quando brochamos, algo demasiadamente humano? Ah, eis o ego do macho, o macho ferido por não ter sido o garanhão que se imagina na cama.

Sim, muitas querem um bom relacionamento, uma história com laços afetivos. Primeiro que esse desejo é legítimo, lindo, está longe de ser um crime, e além do mais pode ser ótimo para todos nós. Enquanto permanecermos com esse medinho de homem, nesse eterno e repetido “estou confuso” –“eu tô cafuso”, como dizia Didi Mocó!-, a vida passa e perdemos mil oportunidades de viver, no mínimo, bons momentos do gozo e felicidade possível. Afinal de contas para que estamos sobre a terra, apenas para morrer de trabalhar e enfartar com a final do campeonato?

Amigos, mulher não é para ser temida, é para nos dar o melhor da existência, para completar-nos, nada melhor do que a lição franciscana do “é dando que se recebe”, como cai bem nessa hora. Amigos, até sexo pra valer, aquele de arrepiar, só vem com a intimidade, os segredos da alcova, o desejo forte que impede até o ato que mais odiamos, a velha brochada da qual tratamos aí acima.

Rapazes, o amor acaba, o amor acaba em qualquer esquina, de qualquer estação, depois do teatro, a qualquer momento, como dizia Paulo Mendes Campos, mas ter medo de enfrentá-lo é ir desta para a outra mascando o jiló do desprazer e da falta de apetite na vida. Falta de vergonha na cara e de se permitir ser chamado de homem para valer e de verdade.

(Xico Sá)

5 comentários:

Gabriele Fidalgo disse...

Hahahahhaha
Conheço essa carta, Carol! rs
Uma das melhores que eu já li.
Finalmente um homem que tenha a decência de perceber a verdade. huauha

Adorei inclusive a foto que você postou junto. =]


Beijão

Rafaela disse...

Adoooreeiii!!!!
beijoss

Bruno disse...

Ele têm toda razão. Mas o que não esta dito no texto é que nós homens já fazemos isso diariamente, todos querem agradar e levar a frente a raça humana. Gostaria de ver uma carta aberta às mulheres, colocada frente ao espelho para as mais vaidosas, ou dentro da geladeira, quando elas a abrirem para pensar no que não vão comer.
Nós estamos prontos para a batalha, o problema é que o sexo feminino é cheio de processos, por mais que você diga que os ama, elas vão arranjar um prós e contra para dificultar o caminho daqui até os anais da boa relação amorosa. Seria tudo mais fácil se simplesmente as mulheres parassem de esperar o príncipe encantado, e partissem para a guerra da vida ao lado de um homem de verdade.

Lais Mouriê disse...

Adoro o Xico!!! Ótima essa carta!!!

Bjos, moça!

bruna disse...

Concordo! Mas lendo sua carta, fiquei pensando em quanto o homem heterossexual hoje em dia continua muito reprimido, tanto em relação ao que foi comentado na carta : eles não se permitirem ligar no dia seguinte, ou repetir a dose, afinal, dizem por aí que o papel deles é comer e fim de papo. Duros na queda. Além do que, muitos defendem a liberdade sexual alheia enquanto eles mesmo não o fazem: a maioria nunca teve uma expêriencia homossexual, não gostam de anal play, não gostam da idéia de relação aberta (só se forem eles a comer várias minas, é claro), fora serem totalmente desajeitados, estranhos ao próprio corpo, nem dançar conseguem! São machos demais. E aí, que morre de tédio somos nós. (ou será eu?)

Enfim, e também concordo com o bruno aí encima, nós dificultamos de-mais.

Beijos e até mais.