quarta-feira, 11 de junho de 2008

Morrerei de amor porque te quero


"Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Tal vez consumirá a luz de Janeiro,
seu raio cruel meu coração inteiro,
roubando-me a chave do sossego,
nesta história só eu me morro,
e morrerei de amor porque te quero,
porque te quero amor,
a sangue e fogo."

(Pablo Neruda)

5 comentários:

*Carol Porne* disse...

Olá cara conterrânea e xará...! rs

Passeano pelo mundo dos blogs, encontrei o seu, que por sinal é muito legal. Parabéns!

Quanto a este último post, comentários são dispensáveis quando se trata de Neruda... poema muito lindo...

Se tiver um tempinho, passa no meu blog ok?

Bjos e boa semana

Very Libertarian disse...

carajo....

é amor bagarai..

тαynαн disse...

Falar de Neruda é como falar de amor. Ele entende muito bem o amar e o 'desamor' ... Se é pra falar de amor, fale Neruda.

beijosss
bom fds

Anne disse...

a gente tem que viver de amor, não morrer. alimento.

Lidiane disse...

Coisa mais linda esse poema.
Adoro e tenho aqui comigo, guardado.
Impresso e no corazón.